jueves, noviembre 23, 2017
La trivial > Filosofía > La dictadura de la opinión dominante y la paradoja de la distancia

La dictadura de la opinión dominante y la paradoja de la distancia

La dictadura de la opinión dominante y la paradoja de la distancia

Por Pedro Barata

(Debajo en portugués)

Nuestro tiempo ha postulado una diversidad de axiomas como indubitablemente verdaderos. Mi amigo Manuel Cardoso, un humorista portugués que merece mucho la pena conocer, me hablaba de la paradoja de la libertad de expresión: al revés de existir una verdadera posibilitad de elegir lo que uno quiere decir, las posiciones o opiniones que dada persona tiene hacia un tema determinado, lo que se ve muy a menudo al día de hoy es una encriptada dictadura de ciertas posiciones. Encriptada, pero dictatorial. El mayor acceso a la información (y consecuentemente el hecho de que más gente tenga una opinión formada de algo), de que las redes sociales (que, ojo, son fantásticas en muchísimos aspectos) son muy culpables, no ha hecho, en la mayoría de los casos (hay que tener mucho cuidado con las generalizaciones precipitadas) propagar una cultura de diversidad y pluralidad. Al revés. El mundo de hoy, o al menos el mundo occidental “informatizado”, ha entrado en una dinámica de opinión “acepte” o “buena opinión”. Se ha tomado un conjunto de ideas como verdaderas y se toma quien se pone contra ellas como loco. O sea, la mismísima sociedad que se intitula como democrática menosprecia las opiniones que van contra lo que “está bien”, lo que es justamente el contrario de los idearios que nos han traído la modernidad democrática (y aquí cabe recordar las palabras de Voltaire, que decía que “no coincido con lo que decís, pero haré todo lo posible para que lo puedas decir”). Y fíjense que la evolución siempre se hizo en base a ir contra lo que estaba predefinido, lo que se tomaba como garantido. Solo se supo que la tierra gira al rededor del sol cuando un loco ha enfrentado el mundo negando lo que era la convicción general. Si hoy alguien tiene la opinión que las maquinas, en 20 años, se convertirán en robots que mataran todos los humanos será puesto en un hospital de dementes (y aquí vuelvo a citar Manuel Cardoso).

Pues bien, una de esas ideas enraizadas en la sociedad tiene que ver con la soledad. Existe un temor generalizado a estar solo, no solo a la condición de no tener nadie en el mundo (y que afecta, por ejemplo, a mucha gente mayor y que es, sin duda, una situación muy mala y que hay que combatir) pero también a una situación puntual de estar solo con uno mismo, sin la compañía de nadie mas. La mayor parte de las personas de nuestra sociedad carece de auto conocimiento, de una tranquilidad y confianza interiores que hagan ver que la circunstancian puntual de estar solo puede resultar en una oportunidad de reflexión y encuentro con una misma, mas aun en un tiempo tan acelerado que no da tiempo para tener tiempo para pensar. Por eso se debe combatir la idea de que uno se pasa unos ratos solo, sea en su habitación o caminando por una playa, no es ni un loco ni es un depresivo (la sociedad también es muy buena rotulando todo lo que ve como malo, con etiquetas que dejan bien claro que estamos en la presencia de animales raros).

Pero cuando más se ve esta imposición de ciertas ideas es en relación a los efectos de la distancia tiene en el sentimiento. La mayor parte de las veces se entiende la distancia entre dos personas como castradora del sentimiento que haya entre ellas, como algo que, indubitablemente, disminuirá el vinculo que existía entre ellas. Con efecto, es verdad que la cercanía es esencial en todo tipo de relacionamiento, pero no es menos verdad que la distancia, por si misma (y esto es muy importante, ya que no hablamos de otros factores que puedan tener importancia, sino solo de la distancia), es mucho mas compleja y tiene muchos más efectos que somete enfriar un sentimiento. Una de las mayores consecuencias pocos habladas de la distancia es el equivoco. Al no estar con alguien cada día, no se verá lo malo de la relación, no se dará el desgaste normal de la convivencia interpersonal, y muy a menudo puede darse un fenómeno de idealización de una persona. Se pasa a querer una idea de la persona (hecha por la distancia y la separación y distinta de la realidad, ya que no se ve el otro para tener un constante recuerdo de su personalidad) y no la misma persona real y con sus defectos. La saudade es fenómeno de múltiples capacidades.

No dejéis de ser curiosos.

 

 

O nosso tempo postulou uma série de axiomas como indubitavelmente verdadeiros. O meu amigo Manuel Cardoso, um humorista português que vale muito a pena conhecer, falava-me do paradoxo da liberdade de expressão: ao contrário de existir uma real hipótese de escolher o que uma pessoa desejar, as posições ou opiniões que determinado indivíduo tem em relação a um tema, o que se vê muito regularmente é uma camuflada ditadura de certas posições. Camuflada, mas ditatorial. O maior acesso à informação (e consequentemente o facto de que mais gente tenha uma opinião formada acerca dos diferentes temas), de que as redes sociais (que, atenção, são fantásticas em muitos aspectos) são em grande parte responsáveis, não fez, na maioria dos casos (há-que ter muito cuidado com as generalizações precipitadas), propagar uma cultura de diversidade e pluralidade. Pelo contrário. O mundo de hoje, ou pelo menos o mundo Ocidental “informatizado”, entrou numa dinâmica de opinião “aceite” ou “boa opinião”. Tomaram-se um conjunto de ideias como verdadeiras e coloca-se quem está contra elas como um louco. Quer isto dizer que a mesma sociedade que se intitula como democrática menospreza as opiniões que vão contra “o que está certo”, o que é precisamente o contrário do ideário que nos trouxe a modernidade democrática (e aqui vale a pena recordar as palavras de Voltaires, que dizia que “não concordo com o que dizes, mas farei tudo para que o possas dizer”). E reparem que a evolução sempre foi feita com base na negação do que estava predefinido, do que era tomado como garantido. Só se soube que a terra rodava à volta do Sol quando um louco enfrentou o mundo negando o que era a convicção geral. Se hoje alguém opinar que as máquinas, daqui a 20 anos, serão robots que matarão todos os humanos será colocado num hospital de dementes mentais (e aqui volto a citar o grande Manuel Cardoso).

Pois bem, uma dessas ideias enraizadas na sociedade está relacionada com estar sozinho. Existe um medo generalizado na sociedade a estar sozinho, não apenas à condição de não ter ninguém no mundo (que afecta, por exemplo, muita gente idosa e que é, sem dúvida, uma situação preocupante e que é necessário combater) mas também à situação pontual de estar sozinho consigo mesmo, sem a companhia de mais ninguém. A maior parte das pessoas da nossa sociedade carece de auto-conhecimento, de uma tranquilidade e confiança interiores que façam ver que a circunstância pontual de estar sozinho pode ser uma oportunidade de reflexão e de encontro interior, mais ainda num tempo tão acelerado em que não há tempo para ter tempo para pensar. Por isso devemos combater a ideia de que se uma pessoa fica, de quando em vez, sozinha, seja no seu quarto ou andando por uma praia, não é nem louco nem depressivo (a sociedade também é muito boa rotulando tudo o que vê como mau, com etiquetas que deixam bem claro que estamos na presença de animais raros).

Mas quando mais se vê esta imposição de certas ideias é em relação aos efeitos que a distância tem no sentimento. A maior parte das vezes olha-se para a distância entre duas pessoas como castradora do sentimento que existe entre elas, como algo que, indubitavelmente, diminuirá o vínculo que existia entre elas. Com efeito, é verdade que a proximidade é essencial em todo o tipo de relacionamento, mas não é menos verdade que a distância, por si mesma (e este ponto é importante, já que não falamos de outros factores que podem ter importância ou de certas consequências que a distância pode ter, mas sim da distância em si mesma considerada), é muito mais complexa e tem muito mais efeitos que somente resfriar um sentimento. Uma das maiores consequências pouco faladas da distância é o equívoco. Ao não estar com alguém todos os dias, não se verá o mau da relação, não se dará o desgaste normal da convivência interpessoal, e poderá dar-se um fenómeno de idealização da pessoa. Passa-se a gostar da ideia de uma pessoa (feita pela distância e separação e distinta da realidade, já que não se vê o outro e portanto não se tem uma constante lembrança da sua personalidade) e não da pessoa real e com os seus defeitos. A saudade é um fenómeno de múltiplas capacidades.

Não deixem de ser curiosos.

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *